Restaurante “A Carvalheira”
Um santuário em nome dos sabores do alto Minho

Na freguesia de Arcozelo, a poucos minutos do centro histórico da vila de Ponte de Lima, a entrada num pequeno monte que dá acesso ao restaurante A Carvalheira sobressai na verdejante paisagem que acompanha a estrada nacional que percorre a margem direita do rio. Um santuário erigido em nome dos sabores do alto Minho, aqui defendidos na sua mais genuína tipicidade.

Reportagem: Patrick Neves

Na margem direita do rio, a cerca de 2 Km do núcleo medieval de Ponte de Lima e no topo dum monte ensombrado por carvalhos, pinheiros e sobreiros centenários, o restaurante A Carvalheira ergue-se, sem imponências arquitectónicas, há 15 anos em defesa dos aromas e sabores típicos da região. A vista para as montanhas circundantes e o casario é ampla e, o parque de viaturas privativo, evita os problemas de estacionamento comuns na zona durante a realização das etnográficas e seculares Feiras Novas, todos os anos, em Setembro.
Uma eira em granito (utilizada no passado para debulhar o milho) serve de base no exterior à esplanada de 6 mesas, sendo os materiais arrumados num tradicional espigueiro, primorosamente restaurado. Nas horas de calor, opte pelas mesas e bancos em granito instalados no relvado debaixo das árvores, ideais para tomar um aperitivo, usufruindo da paisagem e da suave brisa que corre por entre a vegetação. À entrada da casa destaca-se, nas paredes, artesanato local, distinções e artigos de imprensa sobre A Carvalheira e uma fotografia nocturna da ponte sobre o Lima iluminada, abrindo-se a porta a uma sala de refeições, tipicamente minhota, com 80 lugares e divisórias em pedra, traves de madeira maciça no tecto e uma enorme lareira, fielmente recuperada. Às janelas espreitam artefactos agrícolas antigos, alguns em miniatura, mas o ênfase vai para a garrafeira, apoiada nas embalagens em madeira dos vinhos, e para a mesa central, na qual o proprietário e gerente José Gomes recebe os clientes laminando a preceito presunto ibérico de elevada qualidade e exibindo compotas de Arcos de Valdevez.
Por encomenda, o membro da Confraria do Sarrabulho serve a tradicional receita, Arroz de frango e Cozido à Portuguesa mas as sugestões do chefe são Bacalhau no forno com broa e batata a murro, Pernil de porco com arroz de pimentos e Arroz de Pato solto. Pode ainda optar-se por Cabrito assado, Posta barrosã, Picanha, Peixe cozido ao vapor com algas, Arroz de tamboril, Lampreia em arroz ou à bordalesa (no seu tempo), Peixe fresco grelhado e inúmeras opções de Bacalhau. A acompanhar, vinhos verdes da região (com especial atenção para os da Adega Cooperativa de Ponte de Lima) ou maduros de todo o país, com a melhor selecção.

Em defesa da gastronomia local
Com gestão familiar e a irmã a comandar os destinos da cozinha, José Gomes aposta no fiel cumprimento da gastronomia local não se inibindo nas quantidades. Com Pão de trigo e Broa de Minho sugere, como entradas frias, Ovas de pescada com molho verde, Ovas de bacalhau, Salada de bacalhau com broa, Orelha de porco, Mexilhão e Polvo vinagrete e, a sair do fogão, Feijão com tripas, Alheira com legumes, Misto de enchidos de Ponte de Lima (chouriça sanguinha e de carne), Polvo à galega, Cogumelos ou Favas com fumados, Sonhos ou Pataniscas de bacalhau e Camarão à guilho. Para terminar, os costumados Leite Creme (1º prémio do concurso de gastronomia de Ponte de Lima 2009), Pêra borrachona ou Pudim Abade de Priscos.
Tal como explicou à Nectar José Gomes, que vai inaugurar em breve nos mesmos moldes em Guimarães o restaurante Picadeiro, “a carta mantém-se inalterável há 15 anos em defesa da gastronomia local. Já dispus de mais dois espaços, um em Ponte de Lima e outro na estrada que segue para Braga mas, resolvi retornar à casa-mãe, apostando num segmento de mercado médio-alto e com serviço à carta. Os clientes são habituais e vêm de todas as regiões do país, com assiduidade, sendo também uma casa muito frequentada por espanhóis. São 100m2 de sala com uma lotação máxima de 80 lugares”.
“Se analisarmos por datas, a garrafeira inclui mais de 500 referências de vinho, incidindo nos vinhos verdes embora tenhamos uma cuidada selecção de vinhos maduros de topo, de todas as regiões do país, como é o caso dos Pêra-Manca, Barca Velha e outros”.

Uma eira em granito (utilizada no passado para debulhar o milho) serve de base no exterior à esplanada de 6 mesas, sendo os materiais arrumados num tradicional espigueiro, primorosamente restaurado.

Receita:
Bacalhau no forno com broa e batata a murro

Ingredientes:
600g Bacalhau
1 kg Cebolas
Azeite
Pimentão
Manteiga
Vinho branco
Pimento vermelho
Alho seco

Preparação:
Depois de demolhado, frita-se o bacalhau muito lentamente até que fique quase confitado. De seguida, faz-se uma cebolada com azeite e pimentão, temperando-se a broa com manteiga, alho picado e cebola picada. Depois, cobre-se uma caçarola de barro com a cebolada, o bacalhau e a broa, levando ao forno bem quente para tostar. Acompanha com batata a murro assada.

Contactos:
Morada: Antepaço – Arcozelo o 4990 Ponte de Lima
Tel: 258 742 316 o Fax: 258 944 672
Horário: das 12.00 às 15.00 e das 19.00 às 22.00 h
Encerra: Segunda-Feira
E-mail: restcarvalheira@hotmail.com