Provados & Classificados 74/75

Bag-in-box, uma embalagem moderna, funcional e atractiva

Desde os tempos mais remotos, o vinho é uma das bebidas mais apreciadas por milhões de consumidores.

Bento de Carvalho – Engenheiro Agrónomo

bentoAo longo do tempo, o acondicionamento do vinho tem sido uma preocupação — estruturas de madeira de salgueiro revestidas de pele, tonéis de madeira de palmeira, ôdres de pele de cabra e porco, ânforas, vasos de terracota, etc…., foram vasilhames utilizados para acondicionar o vinho e fazê-lo chegar ao consumidor.
Entre nós, ainda nos lembramos do espaço bem português da taberna nacional, ponto de encontro e de reunião colectiva implantada no coração histórico das cidades, onde se trocavam informações e saberes e em que o vinho era um símbolo místico, a expressão dum ideal, símbolo da sensibilidade do Homem, nos bons e maus momentos da vida. Aí se encontravam as pipas, as cartolas, os pipos, os garrafões, o banco corrido, o baralho de cartas, o dominó e o copo de três.
Hoje, com o moderno estilo de vida e com a sociedade em avançada transformação, assiste-se a uma evolução do comportamento do consumidor, cada vez com menos tempo para comer e menor poder de compra, dando preferência a outras bebidas (cerveja, refrigerantes, água), verificando-se uma tendência para beber menos vinho.
Com as dificuldades de trânsito existentes, principalmente nas cidades, a distribuição do vinho no abastecimento de restaurantes e locais de venda, tornou-se uma situação difícil e com gastos financeiros significativos.
A entrega, a devolução, as operações de lavagem de vasilhame, o tempo gasto nestas operações, são factores de custos elevados na venda do vinho.
A tradição no mundo do vinho assenta na investigação, na inovação e no progresso.
A produção, conservação e o acondicionamento de vinho até ao consumidor, obrigaram a desenvolver uma complexa tecnologia e promoveram o aparecimento de numerosas indústrias complementares de modo que o vinho chegue ao consumidor em perfeitas condições.
É o caso do Bag-in-Box, Tetra Pak, vedantes sintéticos, cápsulas de alumínio, vedantes de “cristal”, garrafas de plástico, etc…. O Bag-in-Box, hoje em dia também conhecido por BIB, é uma embalagem que tem ganho progressivamente uma parte importante do mercado a outros tipos de acondicionamento e abrindo o consumo a novos adeptos.
É uma embalagem conhecida por conservar o vinho por um período longo, uma vez aberta. É composta por um saco ligeiro de fôlha de alumínio, uma embalagem de cartão em forma de cubo, com um punho de transporte e uma torneira, que impede a entrada de ar. O saco ligeiro retrai-se seguindo a quantidade do vinho existente.
Graças a esta tecnologia, o vinho em BIB (3, 5, 10 e 20 litros), conserva-se vários meses porque é protegido pelo saco de folha de alumínio, cheio em vácuo ou em gás inerte, podendo o vinho consumir-se em vários dias, pois tirando várias quantidades de vinho em vários momentos diferentes, o resto do vinho fica em vácuo, protegido e conserva toda a sua potencialidade organoleptica.
Trata-se duma embalagem moderna, funcional e atractiva para produtores, comerciantes e consumidores. A sua boa e funcional utilização nos restaurantes que vendem vinho não engarrafado, a sua melhor apresentação estética para as donas de casa, a facilidade de transporte, o bom nível de satisfação junto do consumidor pelo principio da conservação e pela polivalência e pluridade de utilização, a não obrigação de devolução, tornam-na numa embalagem prática e sedutora.
A progressão do BIB a nível mundial é rápida e os consumidores estão a aderir a este tipo de acondicionamento, perfeitamente adaptado aos vinhos de média qualidade, para os vinhos do dia a dia, deixando a garrafa para os vinhos de qualidade nobre.
A tradição da garrafa de vidro guarda os seus atributos e a transparência, mas o peso está a diminuir cerca de 90g por garrafa vazia, e o objectivo essencial no futuro é limitar o impacto do transporte, com a diminuição das emissões de CO2 pela redução do peso das mercadorias transportadas.
À escala mundial estima-se em 150 milhões de hectolitros de vinho engarrafados em garrafas de vidro em cada ano e os acondicionados em Bag-in-Box representam já 20 milhões de hectolitros.
No nosso quotidiano, devemos previligiar as garrafas de vidro para receber amigos, mas nos novos tempos de consumo e em função de certas ocasiões, o Bag-in-Box poderá ser apresentado como uma curiosidade e uma descoberta moderna e atractiva. •